16 maio 2017

as horas

as horas não passam
exaustas, vazias
frias
como uma nota só
tocando incessantemente
ecoando no infinito
espaço entre nós.
as horas zombam
tão lentas
dançarinas sem talento
num salão sem luz
de um palácio vazio
numa cidade deserta.
então já não são as horas
já não são as notas
não é o salão
sou eu.
vou devagar
com meus olhos escuros
meus ouvidos fechados
e a falta de mim.

Nenhum comentário :