12 agosto 2016

quem sou?

Quem sou eu? Freqüentemente me dizem
que saí da confinação da minha cela
de modo calmo, alegre, firme,
como um cavalheiro da sua mansão.

Quem sou eu? Freqüentemente me dizem
que falava com meus guardas
de modo livre, amistoso e claro,
como se fossem meus para comandar.

Quem sou eu? Dizem-me também
que os dias de infortúnio suportei
de modo calmo, sorridente e alegre,
como quem está acostumado a vencer.

Sou, então, realmente tudo aquilo que os outros me dizem?
Ou sou apenas aquilo que sei acerca de mim mesmo?
Inquieto, saudoso e doente, como ave na gaiola,
lutando pelo fôlego, como se houvesse mãos apertando minha garganta,
ansiando por cores, por flores, pelas vozes das aves,
sedento por palavras de bondade, de boa vizinhança,
conturbado na expectativa de grandes eventos,
tremendo, impotente, por amigos a uma infinita distância,
cansado e vazio ao orar, ao pensar, ao agir,
desmaiando, e pronto para dizer adeus a tudo aqui?

Quem sou eu? Este, ou o outro?
Sou uma pessoa hoje, e outra amanhã?
Sou as duas ao mesmo tempo? Um hipócrita diante de todos,
e diante de mim, um fraco, desprezivelmente angustiado?
Ou há alguma coisa ainda em mim, como exército derrotado
fugindo em debanda da vitória já alcançada?

Quem sou eu? Estas minhas perguntas zombam de mim na solidão.
Seja quem for eu, Tu sabes, ó Deus, que sou Teu!

[Dietrich Bonhoeffer - Quem sou? (Wer bin ich?); escrito na prisão em 18/07/44]

Nenhum comentário :